Heterocromia: O porquê de algumas pessoas terem um olho de cada cor

A heterocromia é uma condição em que um indivíduo tem olhos de cores diferentes, resultante do excesso ou falta de melanina, pigmento responsável pela cor dos olhos.

Heterocromia: O porquê de algumas pessoas terem um olho de cada cor

É provável que ao longo da vida se tenha cruzado com familiares, amigos, ou conhecidos, com uma cor de olhos muito bonita e até fora do vulgar. E pessoas com um olho de cada cor, conhece alguém?

A isto chamamos de heterocromia e independentemente de já ter ouvido ou não falar neste nome, ao recordar-se da famosa atriz portuguesa Daniela Ruah, saltar-lhe-á à vista os seus olhos, um mais claro que o outro, certo? Ou então por exemplo a conhecida atriz americana Elizabeth Berkley ou o popular jogador de baseball Max Scherzer.

Daniela-Ruah-heterocromia    Elizabeth-Berkley-heterocromia  

Não, não se trata de uma questão estética mas sim uma condição visual, condição essa que está dependente de um pigmento chamado melanina. Ainda assim, por falarmos em algo tão sensível como os nossos olhos, ocorre-nos uma mão cheia de dúvidas. Talvez comecemos... pelo próprio nome.

Hetero… o quê?

Hetero...cromia. Isso mesmo! Sabemos que não é um nome fácil de pronunciar, no entanto, a heterocromia é uma anomalia genética rara, que afeta quase 1% da população mundial. Tanto pode ser herdada geneticamente ou adquirida por doenças e síndromes pouco conhecidas, como a síndrome de Waardenburg, síndrome de Horner e doença de Bourneville, por exemplo.

A heterocromia surge em bebé, ao nascer, a não ser que seja desenvolvida através de uma determinada patologia. Devemos ter presente que geralmente não é uma doença ou condição preocupante.

Mas é provocado por que motivo?

A cor dos nossos olhos está dependente da melanina produzida na íris, a parte colorida dos nossos olhos. O “segredo” por detrás da nossa cor de olhos, está dentro de cada uma das nossas células, bem lá no núcleo.  

E o que é que fica dentro do núcleo? O ADN, que é mesmo, mesmo, mesmo, mas mesmo importante, pois é nele que estão armazenados todos os genes responsáveis por todas as nossas características. Ou seja, é lá que temos os genes que ditam a nossa cor do cabelo, o tamanho do nosso nariz, o formato das nossas mãos, inclusive, a cor dos nossos olhos.

O nosso ADN vem do nosso pai e da nossa mãe e é por esse motivo que pais e filhos têm características muito parecidas. Ainda assim, mesmo que o seu ADN seja proveniente dos seus pais, a cor dos seus olhos pode ser diferente, uma vez que o fator decisivo é a quantidade de melanina produzida. Quanto mais melanina produzimos, mais escura é a cor do nosso olho! Já a nuance de tons no mesmo olho ou em cada um dos olhos, deve-se à produção de quantidades diferentes de melanina, causada por mutações na íris. 

Os tipos e origens da heterocromia 

A heterocromia pode ser classificada quanto ao seu tipo e à sua origem:

  • A heterocromia setorial distingue-se por apresentar mais que uma cor no mesmo olho.
  • A heterocromia completa apresenta um olho de cada cor.
  • A heterocromia congênita, acontece quando é fruto da origem genética.
  • A heterocromia adquirida, pode ser originária de um síndrome ou de determinada doença.

Porém, é possível ter o tipo setorial e completa ao mesmo tempo. O motivo determinante é o mesmo: a quantidade de melanina na íris do globo ocular, determinada por um número de genes diferentes.

Nesta imagem, vemos 4 tipos diferentes de heterocromia:

/var/folders/59/dv7bfkgs0g3154ql16zqnq5c0000gp/T/com.microsoft.Word/WebArchiveCopyPasteTempFiles/56056a790e2163449306eab8olho_site_heterocomia.jpeg?quality=70&strip=info

  1. Setorial Segmentada
  2. Setorial Central
  3. Completa
  4. Completa Setorial

 

Heterocromia nos animais de quatro patas

Nós humanos, não somos os únicos com estas características. Aliás, é mais habitual ver cães ou gatos com um olho de cada cor. O exemplo mais conhecido é o husky. Sim, aquela criatura de quatro patas querida, normalmente de pêlo branco. Essa mesmo. Sabe-se que esta raça está relacionada com a evolução nas temperaturas frias do país originário e que esta anomalia visual, mais tarde se transmitiu de forma genética.

Mas não só.

Outras raças são afetadas pela heterocromia, tais como o pastor australiano, o catahoula cur, o buldogue francês ou o pitbull terrier. Em nenhum destes casos, se pode afirmar com certeza, que a visão é afetada por isso. Mesmo assim, é necessário ter precaução e procurar ajuda veterinária, no caso dos animais.

A visão perfeita, seja qual for a tarefa

Quanto a nós (humanos), a ida a um profissional especializado em saúde ocular é imperativo. Sobretudo quando se trata da heterocromia não congénita. Devemos procurar manter uma acuidade visual perfeita para cada tarefa que realizamos. Seja a conduzir, a ler, a ver televisão ou ao computador. A nossa visão é um sentido fundamental no nosso dia a dia e durante toda a nossa vida. Vamos preservá-la!


Também lhe pode interessar:

 

 
Sandra Lacerda
 
Optometrista